domingo, 30 de setembro de 2012

Análise da Temporada de Julho 2012



            Temporada legal esta... Tivemos poucos animes, mas quase todos foram divertidos e mantiveram uma temporada com equilíbrio raramente visto. O post de hoje conta com três animes encerrados desta temporada e um da temporada de abril. Joshiraku não será analisado agora, pois estou no episódio 7 do anime e os fansubs não ajudam. Vamos lá!



Natsuyuki Rendezvous




            Começar por Rendezvous é complicado, afinal sua história não é a mais fácil de entender. Arrisco-me a dizer que foi o anime mais complexo que já vi na minha vida (e sim, bem mais subjetivo que *aquele anime sobre fadinhas*), afinal não foca os seus símbolos em críticas sociais, mas sim no desenvolvimento do amor. E o foco desse desenvolvimento é uma das melhores personagens do ano, a gloriosa Rokka. A mulher de meia-idade que usa o chapéu mais feio dos últimos anos é a grande protagonista da história, ainda que seja meio bloqueada por Shimao e Hazuki. Tudo se desenvolve sobre como ela poderá esquecer seu antigo amor e como poderá iniciar uma nova vida. Quando começou já havia dito que tinha um potencial para fazer chorar imenso, maior até mesmo que Ano Hana. Mas os produtores escolheram um caminho diferente, encararam uma história mais adulta, sem forçar a barra e relacionaram o roteiro com um pouco de literatura e um belo visual num mundo encantado. Isso com uma trilha sonora maravilhosa (vou falar da ending no fim). Porém, abster do drama pode ter sido uma idéia não muito boa. Imaginem como poderia ficar legal se a relação entre Shimao e sua irmã fosse utilizada. O que vimos foi um personagem que, já de natureza apática, simplesmente ignorou o fato de poder comunicar-se com sua irmã após tantos anos; perdido ainda no desejo de conviver com sua esposa. Outro problema: Normalmente, uma série tem altos e baixos durante as transições de episódios, mas neste caso o clima oscilava em durante TODOS os episódios. Às vezes a série era tediosa, em outras se tornava incrivelmente prazerosa. E esses momentos de prazer normalmente eram provocados graças aos diálogos, todos bem estruturados e sempre com pitadas de melancolia e humor negro. E Rendezvous caminhou assim, com uma animação competente e uma narrativa meio bipolar para seu último episódio, que por sinal teve um segmento final muito bonito (tipo, muito mesmo). A conclusão? Um anime interessante, às vezes um pouco maçante, mas que não perdeu qualidade em momento algum. Valeu a pena assistir.
            Sobre a ending: Simplesmente a melhor do ano. Além de ser interpretada de maneira maravilhosa pela excelente Aimer, “Anata ni deawanakereba” se encaixa perfeitamente no clima do anime e sua letra se relaciona com o tema de maneira magnífica. Fosse eu um bloguero aplicado, postaria uma análise sobre como a letra se encaixa no roteiro, mas não vai acontecer... (já disse que preciso de redatores?)

Outras Reviews: ELBR e Gyabbo!


Jinrui wa Suitai Shimashita

            *Aquele anime sobre fadinhas* é muito mais que apenas um anime sobre fadinhas. Muito mais. Lotado de subjetivismos e abusando de referências, Jinrui wa Suitai Shimashita tornou-se o anime de qualidade mais indiscutível da temporada, tendo todo mundo achado o anime, no mínimo, bom. O problema é que ninguém entendeu exatamente o que estava assistindo. Lembra aquele negócio de desconstrução? Tipo a desconstrução do shoujo com Madoka Magika (que eu considero uma babaquice)? Então, Watashi é a desconstrução do moe. Em apenas um personagem. Não me pergunte o porquê, mas é esta a sensação que ela passa: seu sorriso carismático e a própria beleza do caractere, misturados com o humor negro que lhe é característico e a inteligência para observar e avaliar as ações das pessoas que a cercam induzem o leitor a perceberem que há algo nela como uma “crítica”, ainda que nunca fique claro exatamente a o que. Jinrui é assim, cheio de pequenas críticas, buscando sempre levar o espectador as mais diversas conclusões e nunca determinando a ideia do autor. Quanto à parte técnica, animação é simples e não compromete nada. O visual é colorido, bem parecido com Tsuritama. Por sinal, quando misturado com o roteiro recheado de humor negro, gera um efeito humorístico bem divertido. Quanto ao desenvolvimento, são vários arcos soltos e sem nenhuma relação entre eles, quase como pequenas crônicas. Algumas destas histórias (como os dois sobre a indústria de mangá) são boas demais, mas em outros episódios, como no segmento final, a história se arrasta e fracassa. Um anime bom, supervalorizado às vezes, mas merecedor dos comentários que recebeu. Ainda assim, longe de ser o melhor da temporada.

Outras Reviews: Another Warehouse


Kuroko no Basket

            E pensar que iria ignorar este anime apenas por preconceitos com animes de esporte... Kuroko no Basket foi um anime sensacional: animação muito boa, cenas de ação ótimas e personagens divertidíssimos de acompanhar. O meu grau de excitação com um anime não era tanto desde que Fairy Tail era legal, me levando a ler o mangá quase sempre após um episódio novo. E o bom é que não acabou! A segunda temporada não deve demorar e a ansiedade pelos próximos episódios é grande, afinal deve aparecer o armador heterocrômico e os misteriosos reis sem coroas na disputa da Winter Cup. Será a melhor continuação do ano que vem.


Uta-Koi



            Melhor anime da temporada. Discutivelmente, é claro. Uta-Koi teve uma ótima trilha sonora (OP da temporada) e um desenvolvimento delicioso para acompanhar, afinal sempre mostrava histórias curtas, às vezes até mesmo duas em um único episódio. As “interpretações liberais” dos poemas de amor do Hyakuninisshu foram sensacionais, recheadas de piadas envolvendo comportamentos dos personagens, ainda que de forma um pouco infantilizada (não que “infantilizada” seja pejorativo, mas para uma série com tema adulto fica um pouco fora de contexto). Os diálogos são interessantes e a rápida identificação com os personagens são outros pontos positivos. Por sinal, é de personagens que esta série esta cheia. Os principais: o host do anime e protagonista do último episódio Teika no Fujiwara, o garanhão Ariwara no Narihira (dublado por Suwabe Junichi), o esforçado e divertido Fun’ya no Yasuhide; e as musas: Sei Shonagon e Ono no Komachi. E foi com o trio Narihira/ Fun’ya/Komachi que o anime alcançou seu ápice, usando neste momento um triângulo amoroso e, principalmente, a amizade entre os personagens. E não entenda errado: se este foi ápice, não significa que o resto foi chato. O principal motivo de ter achado este o melhor da temporada é por manter o ritmo durante o tempo inteiro, do primeiro episódio até o último, sempre no mesmo nível. Seus melhores momentos não foram tão altos quanto o incompreensível Jinrui e seus piores não foram no mesmo nível do eletrocardiograma Natsuyuki Rendezvous. Sua regularidade nada ousada e simples faz de Uta-Koi o melhor da temporada, uma ótima opção para assistir em uma temporada mediana, exatamente como esta foi.

 Outras Review: Our Otaku Life e Blog Yume




            Animes em andamento: Chibi Devil! (melhorou nos os últimos tempos, mas os fansubs desistiram), Joshiraku (ótimo, um dos melhores da temporada), Saint Seiya Omega (faz tempo que não vejo; esta legalzinho, mas os personagens são chatos demais), Sword Art Online (hype demais para um anime somente bom, mas esta legal até aqui) e Uchuu Kyoudai (caminhava para ser o melhor da história, mas 51 episódios parece ser demais para manter o ritmo).

            Animes Droppados: Kokoro Connect (tedioso e com protagonistas chatos), Oda Nobuna no Yabou (Zzzzzz), Dog Days (armadilha de nostalgia), Tari Tari (droppei porque é mal feito, as garotas são chatas demais. Ohana chorou ao lembra que compararam isso a Iroha).

Um comentário:

  1. Engraçado que eu estava dando um braço por Jinrui no começo da temporada,mas ele desandou tanto do meio pro fim que até me envergonho de tê-lo colocado num pilar de injustiçados. Diga-se a verdade,ele não é ruim. Mas,gastar dois episódios com cenas repetidas? Pra quê? Enfim,bom,mas poderia ter sido melhor...


    O engraçado é que alguns se desapontaram com Natsuyuki, e não vi nada de tão grave assim no roteiro. Sério. Eu curti. Mas,ainda falarei por que num post.

    UtaiKoi, dos que foram deixados de lado acabou virando o melhor da temporada? LOL Justo. Não discordo,não. Foi gostoso de assistir.
    @blogabs • a b sFanpage

    ResponderExcluir